Portuguese
.

Governo discute congelar preços dos combustíveis para segurar inflação

Preço do barril do petróleo saltou de US$ 80 para US$ 130 nas últimas semanas

Governo discute congelar preços dos combustíveis para segurar inflação (RossHelen/Envato)

Nos últimos dias, o mundo viu o preço do petróleo explodir com as sanções aplicadas à Rússia, terceira maior produtora mundial do commodity. Além disso, a ameaça de embargo ao produto russo também fez os preços dispararem. Na manhã desta terça-feira (8), os contratos futuros do petróleo aceleraram e o Brent para maio bateu US$ 130 por barril, enquanto o WTI para abril estava a US$ 125.Com isso, o governo federal começou a discutir, inclusive com o Congresso, o congelamento temporário do preço de combustíveis da Petrobrás (PETR3; PETR4).

Com a atual política de preços da estatal, que alinha a variação dos combustíveis à cotação internacional do petróleo, deve haver um reajuste da ordem de 30% no preço do combustível. Fato que o governo tenta impedir, já que consideram que isso pode sacrificar o projeto de reeleição do atual presidente.

Ao congelar os preços do combustível e não repassar a alta do petróleo internacional para os consumidores brasileiros, a ideia do governo é de que a própria Petrobras banque essa diferença de custo, e em último caso, que os acionistas da estatal cubram o valor. A Petrobras teve um lucro de R$ 106,6 bilhões em 2021, um aumento de 1.400% com relação a 2020, o que aumenta a força do pedido de que a estatal segure o reajuste.


Acompanhe o Mercado

Sua Jornada Investidora

Receba nossas notícias

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro? Receba gratuitamente, de segunda a sexta, as principais notícias e análises no seu email.




    Compartilhe do jeito correto. Selecione a rede social desejada e envie esta matéria gratuitamente.