Portuguese
.

Fed sobe juros dos Estados Unidos em 0,75 ponto percentual

Essa é o maior aumento da taxa de juros desde 1994

Fed sobe juros dos Estados Unidos em 0,75 ponto percentual (Divulgação/Fed)

O Federal Reserve (Fed) anunciou uma nova alta de 0,75 ponto percentual para a faixa de 1,50% a 1,75% ao ano. Esse é o maior aumento de taxa desde 1994.

O Comitê busca alcançar o máximo de emprego e inflação à taxa de 2% no longo prazo. Em apoio a essas metas, o Comitê decidiu aumentar a faixa-alvo para a taxa dos fundos federais para 1,5% a 1,75% e prevê que os aumentos contínuos na faixa-alvo serão apropriados“, informou o Fed.

O reajuste veio acima do que havia sido sinalizado pelo Fed na última reunião – que previa alta de 0,50 p.p – mas dentro do esperado pelos especialistas. O aperto monetário mais agressivo acontece após a inflação norte-americana vir acima do esperado em maio e atingir 8,6% no acumulado dos últimos 12 meses, sendo a maior taxa desde dezembro de 1981.

Como amplamente esperado, o Fed optou por uma postura mais ativa no avanço dos juros dos EUA. Após dados da inflação americana demonstrarem uma alta acima das expectativas em maio, o mercado aguardava ansioso aos próximos passos. O fato de os juros subirem foi muito por causa do aumento de salários nos últimos meses e a taxa de desemprego permanecendo baixa, mostrando um mercado de trabalho aquecido. Já a inflação persistentemente elevada, reflete ainda o desbalanceamento entre oferta e demanda devido à pandemia e à guerra, pressionando custos de energia e combustíveis na cadeia produtiva. Com isso, o mercado agora pode variar mais uma vez em um mau-humor nas bolsas de valores, visando o fato de que as taxas de ativos seguros na renda fixa ficam mais atrativos

Vinicius Felchack, Executivo de Investimentos da Invest4U

A atividade econômica geral parece ter se recuperado após a queda no primeiro trimestre. Os ganhos de emprego foram robustos nos últimos meses e a taxa de desemprego permaneceu baixa. A inflação permanece elevada, refletindo desequilíbrios de oferta e demanda relacionados à pandemia, preços mais altos de energia e pressões mais amplas sobre os preços“, explica a autoridade monetária norte-americana, acrescentando que a guerra na Ucrânia e os lockdowns na China pressionam a economia global.


Acompanhe o Mercado

Sua Jornada Investidora

Receba nossas notícias

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro? Receba gratuitamente, de segunda a sexta, as principais notícias e análises no seu email.




    Compartilhe do jeito correto. Selecione a rede social desejada e envie esta matéria gratuitamente.